terça-feira, 24 de agosto de 2010

Na hora da tristeza

“Vós sois a luz do mundo...” — Jesus — Mateus, 5: 14.
“Não digais, pois, quando virdes atingido um de vossos irmãos:
“É a justiça de Deus, importa que siga o seu curso. Dizei antes: Vejamos
que meios o Pai misericordioso me pôs ao alcance para suavizar
o sofrimento do meu irmão”. — Cap. V: 27.


Entraste na hora do desalento, como se te avizinhasses de um pesadelo.

Indefinível suplício moral te impede ao abatimento,mágoas antigas surgem à tona.

Sentes-te à feição do viajor, para cuja sede se esgotaram as derradeiras fontes do caminho.

Experimentas o coração no peito, qual pássaro fatigado,ao sacudir, em vão, as grades do cárcere.

Ainda assim, não permitas que a ansiedade te lance à tristeza inútil.

Se a incompreensão alheia te azedou o pensamento, recorda os companheiros enfermos ou mutilados, quando não conhecem a própria situação, qual seria de desejar e prossegue servindo, a esperar pelo tempo que lhes dará reajuste(...)

Se deixaste entes queridos ante a cinza do túmulo, convence-te de que todos eles continuam redivivos, no plano espiritual, dependendo, quase sempre, de tua conformação para que se refaçam e prossegue servindo, a esperar pelo tempo, que te propiciará, mais além, o intraduzível consolo do reencontro.

Se o fardo das próprias aflições te parece excessivamente pesado, reflete nos irmãos desfalecentes da retaguarda, para quem uma simples frase reconfortante de tua boca é comparável a facho estelar, nas trevas em que jornadeiam, e prossegue servindo, a esperar pelo tempo, que, no instante oportuno, a cada problema descortinará solução.

Lembra-te de que podes ser, ainda hoje, o raciocínio para os que se dementaram na invigilância, o apoio dos que tropeçam na sombra, o socorro aos peregrinos da estrada que a penúria recolhe nas pedreiras do sofrimento, o amparo dos que choram em desespero e a voz que se levante para a defesa de injustiçados e desvalidos.

Não te detenhas para relacionar dissabores...

Segue adiante, e se lágrimas te encharcam a ponto de sentires a noite dentro dos olhos, entrega as próprias mãos nas mãos de Jesus e prossegue servindo, na certeza de que a vida faz ressurgir o pão da terra lavrada e de que o Sol
de Deus, amanhã, nos trará novo dia.


Autor: Emmanuel
Do livro: Livro da Esperança

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...