quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Prejuízos e Vantagens

Quem assestar a observação pessoal em torno de si, descobrirá que o mundo se constitui de recantos multifaces, atraindo reflexões, qual se os olhos fossem caleidoscópios para visões de profundidade nos domínios da alma.

De trecho em trecho, um quadro sugerindo meditações:

O campo cultivado, embora a rudeza do solo.

O charco absorvendo considerável extensão de terra boa.

O jardim florindo, conquanto, às vezes, adubado a detritos.

O espinheiro deitando acúleos sobre a gleba fértil.

A casa singela de quatro aposentos, em muitas ocasiões, aguentando mais de vinte pessoas.

O edifício de formação enorme, superlotado de comodidades, carregando apenas dois a três habitantes.

A árvore sacrificada pela influência de passaritos e ofertando frutos em todas as direções.

O tronco opulento, rico de galharia, a revestir-se de beleza sem a mínima utilidade.

A fonte distribuindo benefícios, apesar de movimentar-se entre montões de pedras e areia.

O repuxo multicolorido que impressiona a vista sem saciar a sede, posto que situado no reconforto da praça pública.

Do mesmo modo encontramos o mundo moral em que respiramos.

Cada criatura é recanto vivo nos planos da consciência.

Muitos se queixam de imperfeições e dificuldades; inúmeros não enxergam as oportunidades e os talentos que usufruem.

Se todos temos empeços, todos igualmente desfrutamos vantagens.

Uns, possuindo vastos recursos, ocasionam prejuízos sem conta; outros, cercados de obstáculos, produzem valores imperecíveis.

Dirijamos as lentes do estudo desapaixonado sobre nós mesmos e perceberemos, de imediato, o que realmente somos e o que podemos ser, em matéria de bem ou mal, para os outros, na ordem da vida, tudo dependendo da aplicação de nosso livre-arbítrio.

Autor: André Luiz
Do livro: Sol das Almas

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...