quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Lutas da fé


Lutas da fé
Nos transes inevitáveis da evolução humana, há muita gente que unicamente cultiva a posse de uma fé convencional, no encapelado oceano das provações terrestres.

Rede que balançasse o coração entre palmeiras farfalhantes...

Barco que vagasse ao sopro da brisa...

Recanto de vale verde à frente do céu azul...

Jardim cujo aroma exercesse a função de brando anestésico...

Entretanto, a construção da fé verdadeira encontra gigantescas batalhas nas províncias do coração.


Para buscá-la e incorporar-lhe os valores, as criaturas são constrangidas a se apoiarem umas nas outras e, porque as criaturas humanas ainda respiram muito longe das condições angélicas, surgem aflições e conflitos por material indispensável à formação do discernimento – a chave de controle das nossas devoções e paixões – a fi m de que a atitude religiosa, em nós outros, expressando nível espiritual, não nos situe na mentira piedosa da superestimação dos nossos próprios méritos.

Surpreendemos, a cada passo, choques e dissensões com dificuldades e advertências à vista, qual se a dor viesse examinar o grau da paciência e da humildade, da ponderação e do conhecimento que já conseguimos assimilar.

Aqui, vacilam amigos queridos...

Ali, apaga-se o íris de suaves encantamentos...

Além, caem defesas que se nos afiguravam de contextura inexpugnável...

Adiante, destacam-se árduos problemas a resolver...

Os espíritos indolentes acusam-se irritados e espantadiços, recolhendo-se à margem para o sono das próprias conveniências, alegando cansaço e desilusão...

Todavia, quantos despertam para a execução dos próprios deveres, não ignoram que todos estamos ainda jungidos aos resultados das próprias quedas em existências anteriores e que, por isso mesmo, toda a nossa edificação em matéria de fé precisa erguer-se em bases de experiência pessoal, intimamente sofrida e vivida através do trabalho comum, no qual todos necessitamos de amor e compreensão, sem ferir a verdade e sem desacreditar a justiça.

Toda vez que nos encontrarmos em graves contradições no levantamento e na consolidação da própria fé, analisemos as nossas crises de sentimento com espírito de oração e entendimento, serviço e responsabilidade, mas não tentemos desertar a luta de que o próprio Cristo não escapou.



Autor: Emmanuel
Do Livro: Canais da Vida

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...