sábado, 13 de abril de 2013

Leitura Espírita

Leitura Espírita
Leitura Espírita

Conquanto o Espiritismo — ou Doutrina dos Espíritos, — tenha surgido da palavra dos próprios espíritos, luminares da evolução e do aprimoramento da Humanidade, não será lícito esquecer o trabalho paciente e valioso daqueles espíritos outros, denodados pioneiros do progresso e da felicidade dos homens, reencarnados na Terra, para a elevada missão de fixar-lhes os ensinamentos. 

Compreende-se que a mente popular se empenhe à procura do verbo revelador que flui da espiritualidade pelos canais medianímicos, acostumada que se acha a encontrar por esse processo, há mais de um século, instruções e lições seguras, desde que O Livro dos Espíritos apareceu por monumento básico da verdade, em que o homem interroga e os espíritos respondem sobre as mais transcendentes questões da vida e da Natureza. 

Forçoso, no entanto, reconhecer o mérito dos agentes humanos que dignificam os princípios espíritas, a comentá-los, desenvolvê-los, interpretá-los e iluminá-los. 

Sem Allan Kardec, não teríamos a autoridade terrestre, reunindo fatos e deduções na formação da Doutrina e, depois do Codificador, tivemos no mundo toda uma plêiade de missionários corporificados na forma física, organizando empreendimentos e realizações que honram todos os setores do Espiritismo, erguido à condição de Cristianismo redivivo. 


A eles devemos construções doutrinárias inesquecíveis, quais sejam: 

As interpretações científicas dos fenômenos. 

As experiências inatacáveis.

As análises filosóficas.

As ilações religiosas. 

Os relatórios seguros. 

A organização do intercâmbio espiritual.

A literatura da Nova Revelação.

A escola e o ensino kardequianos. 

As observações precisas. 

A história do Espiritismo. 

A imprensa renovadora.

Os boletins informativos. 

Os simpósios permanentes de estudo. 

Os conclaves de orientação.

As teses santificantes.

Os apelos à sublimação da alma. 

Os planos das obras espíritas. 


Indubitavelmente é imperioso creditar a eles — devotados seareiros da luz, precioso e inestimável trabalho na sementeira e difusão das verdades que abraçamos, razão por que, tributar-lhes consideração e estímulos, lendo-lhes as páginas edificantes e louvando-lhes o serviço benemérito é para todos nós inalienável dever. 

Companheiros! 

Honremos O Livro dos Espíritos, nas letras mediúnicas que desdobram os primores da Codificação, à luz do Evangelho, mas reverenciemos também os livros dos espíritas valorosos e sinceros que são na Terra, abnegados apóstolos do Senhor! 



Autor: André Luiz
Do Livro: Sol nas Almas

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...