segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Obsessão na mediunidade

Obsessão na mediunidade
Obsessão na mediunidade
Precisamos estar de guarda, vigiando os próprios impulsos, lutando contra essa facilidade que temos para assimilar o pensamento negativo e não permitir que esse clichê mental se instale, ganhe vida e se aposse de nós.

São muitos os companheiros médiuns que, sem perceberem, durante a reunião toda, permanecem em estado de transe imanifesto, quer dizer: permanecem mediunizados pelos espíritos que com eles se afi nizam, num processo de vampirização recíproca, alimentando-se mutuamente com pensamentos infelizes, quadros doentios, sentimentos que precisam ser rechaçados...

Quando a reunião termina, o médium diz assim: “Hoje eu não trabalhei; hoje eu não consegui cair em transe;
hoje eu tive dificuldades na concentração”... Não é verdade. Nenhum médium fica sem entrar em transe,
nenhum médium deixa de se entregar à sintonia; quando nós não estamos a serviço do bem, cedendo a nossa instrumentação mediúnica, na passividade desejada, aos espíritos que anseiam se expressar pela palavra ou então possibilitando a comunicação dos espíritos mensageiros que, em nome do Senhor, nos esclarecem e nos orientam, vindos do mais alto, estamos, sem perceber, em contato espiritual com as
entidades que podem ou não estar no ambiente; não falam e não permitem que o transe se exteriorize, porque não desejam ser doutrinadas, esclarecidas; não se expressam através do corpo do médium porque não querem ser contidas e, às vezes, essas entidades estão lá fora, além dos portões da instituição, mas existe como que um fio umbilical unindo o cérebro psíquico do desencarnado ao psiquismo do medianeiro...

Não desejando nos alongar, que todos os companheiros da mediunidade não se esqueçam de que, ao lado da faculdade que possuem, pode estar presente, de uma forma ou de outra, a obsessão. O trabalho é a nossa oportunidade de cura, a nossa oportunidade de equilíbrio e de quitação dos débitos adquiridos. Necessitamos, pois, lutar para que tenhamos menos obsessão na mediunidade e, consequentemente,
mais mediunidade na obsessão.



Autor: Odilon Fernandes
Do Livro: Falando de Mediunidade

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...