terça-feira, 27 de maio de 2014

Único mediador

Único mediador
Único mediador
“Porquanto há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens: Cristo Jesus, homem.” — 1 Timóteo, cap. 2: 5.


A lógica diz que tudo procede de cima para baixo, ou seja, todo foco de luz emana de um único ponto.

Na realidade, todos não passamos de intérpretes do Cristo, a fonte de que provém toda a Verdade e todo o Amor para a Terra.

Originariamente, nenhuma ideia nos pertence; não somos autores, mas sim coautores.

O médium não passa de, simbolicamente, ser o leito por onde a água do rio se escoa, de novo à procura do mar...

São vários os intérpretes da luz, que a refletem de acordo com as suas características.

O médium, por este motivo, dependerá de sua formação como um todo — não há como se separar a mediunidade do médium.

Ao longo do tempo, em várias partes do mundo, mensageiros do Senhor enunciaram a mesma Verdade, no entanto adaptando-a às condições espirituais que encontraram nas regiões em que viveram: Lao-Tsé, Buda, Sócrates...


Os espíritos que se manifestam aos médiuns são, por sua vez, intérpretes, conscientes ou não, de outras entidades (...)

Que o médium não se sinta, pois, na obrigação de ser mais que um escoadouro natural, concedendo passividade ao que lhe chega do Alto, mas, desobstruindo a si mesmo, escoimando-se de suas mazelas, o médium consentirá o fluir da mensagem ao destino, sem comprometê-la em sua pureza...

Por ser um com o Pai, o Cristo foi a presença de Deus entre os homens. Mediador Divino, sem fundar religião alguma ou imiscuir-se com o poder temporal, revelou-nos as Leis que se constituem na sustentação do Universo.

Que o medianeiro, portanto, não se creia mais que um estafeta, alguém que deve se esmerar ao máximo para entregar, sem alteração, a mensagem que lhe foi confiada.

Adequar-se mediunicamente significa colocar-se em condições de cooperar positivamente. Neste sentido, através da filtragem mediúnica, o médium é chamado a participar do processo da decantação da mensagem.

Em síntese, sejamos fiéis a Jesus, não elegendo outro ponto de referência para os nossos passos.

Espiritismo é Jesus e Kardec.

Exercer mediunidade sem os padrões éticos da Doutrina é uma temeridade. Muitos medianeiros, inclusive no Além, tornam-se presas de entidades que não lhes libertam o pensamento das ideias bizarras que lhes incutiram — ideias delirantes e esquizofrênicas que lhes enfermam a mente durante tempo indeterminado.



Autor: Odilon Fernandes
Do Livro: No Mundo da Mediunidade

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...