segunda-feira, 9 de junho de 2014

Conhecimento do passado

Conhecimento do passado
Conhecimento do passado
Meditando nas salutares revelações procedentes da espiritualidade, assomavam-te ondas de tristeza, em considerando o olvido que se te fazia habitual, concernente às reencarnações passadas...

Ao lado daqueles que te narravam eventos com eles mesmos acontecidos e que lhes foram elucidados, situavas o espírito em compreensível melancolia, face a tua total ignorância quanto as vidas pretéritas...

Diante dos que exibiam ilações fascinantes entre o hoje e o ontem, comentando, entusiasmados, os sucessos transatos, doía-te a alma ignorares os acontecimentos idos que te diziam respeito...

Desejavas qualquer referência, que te desse maior força e coragem para a luta, de modo a situares vidas pregressas, graças à justiça das reencarnações...

Ante as dores da soledade, renteando com os que pareciam contemplados, almejavas identificar amigos, amores antigos...

A Lei Divina, na sua sabedoria, quando concede o esquecimento temporário das vidas que se perderam na
noite dos tempos, age com misericórdia e justiça, pois nem todos os homens estão em condição de sabê-lo.

Todavia, desejavas, e agora, paulatinamente, chegam-te retalhos, informações, peças que se ajustam, fragmentos que se unem formando um todo... Amigos, afetos, mas igualmente adversários, se destacam dos painéis da sombra e se avolumam...

Pensas, então, em refazer o caminho ao encontrá-lo em desalinho.

Da mesma forma, ambicionas reviver emoções, ora impossíveis, reconquistar corações que seguem noutra direção, unir-te aos seres junto aos quais chegaste tardiamente... E sofres!

As animosidades persistem sem diminuírem. Ao inverso, tais antipatias não são combatidas, mas açuladas.

Lamentavelmente, unes-te com aqueles que se afinam contigo e te afastas daqueles a cujos fluidos reages.

Onde o esforço da sublimação?

Qual a cartilha de exercício de morigeração e equidade, em prol da paz de agora e da felicidade futura?

Silencia ansiedades.

Trabalha, luta afervorado, insistindo quando outros desistem.

A floração não precede a sementeira nem o fruto antecipa a flor.

Realiza a tua parte gentilmente, sem modelo próximo além de Jesus a quem segues, e se o tormento do passado chegar-te como espinho, pensa no futuro, e, utilizando-te do presente, faze o melhor ao teu alcance, guardando a certeza de que o porvir te responderá conforme o construas desde agora.



Autora: Joanna de Ângelis
Do Livro: Celeiros de Bênçãos

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...