quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

No exercício da palavra

No exercício da palavra
No exercício da palavra
Tu, porém, prega o que esteja em harmonia com a sã doutrina. — Paulo (Tito 2:1.)

Dizem os sábios da Antiguidade: És senhor da palavra que não disseste e escravo da que proferiste.

Sendo assim, cuida bem de teus discursos...

Há palavras que, embora nascidas de bons intentos, surgem revestidas com o fel do azedume, criando em quem as ouve a sensação de angústia...

Outras há que expressam a justiça, mas surgem envolvidas no véu escuro das cobranças, criando em quem as registra o sentimento de culpa...

Outras, ainda, aparentam concordância, mas chegam recheadas de dúvidas, dando origem a desconfianças.

Atenta, igualmente, para a tua voz, a fim de que ela não se apresente como um ingrediente avinagrado, descaracterizando a tua mensagem de estímulo ou de concórdia.

Observa o momento em que falas, para que não se torne em fator de repulsão, porquanto para tudo há
um momento certo.

Toma, por princípio, a vigilância, procurando analisar como te sentirias interiormente, se fossem os teus ouvidos que assinalassem o que teus lábios lançam nos ouvidos alheios.

Mede as consequências do que pretendes dizer, para que o arrependimento não te surpreenda mais adiante, arrancando-te lágrimas de compunção.

Domina o teu primeiro impulso, evitando que, pela precipitação, não venhas a destruir o valor do que tens a dizer.

Reflete antes; fala depois.

Calar é sempre melhor, quando não conseguires conter teu pensamento nem clarificar teu sentimento.

Falar, sim, mas apenas como recomenda a sã doutrina, isto é, só falar quando seja o Amor que nos inspire, levando quem nos ouve aos caminhos da Paz.



Autora: Icléa
Do Livro: Evangelho e Vida.

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...