segunda-feira, 30 de maio de 2016

Animosidade

Animosidade
Animosidade
Viceja, ao lado da simpatia, no sentimento humano, a animosidade.

Reação psíquica, vinculada a vários fatores, atormenta a quem lhe padece o cerco e aflige a quem se lhe faz vítima, conduzindo-a n'alma.

Pode originar-se na competição inconsciente, quanto na inveja dissimulada, imiscuindo-se em várias expressões do comportamento, que envenena, a cada passo.

Toma a si a tarefa malsã de fiscal impenitente, perseguindo, à socapa, no disfarce da maledicência constante ou da crítica mordaz, não raro investindo com rigor em constante acusação.

Não desculpa os que lhe caem sob o talante, quando estes erram, nem permite que eles acertem, seguindo em paz.

Ante a atitude correta, dissemina a dúvida; em face do erro agride, insensata, quando de todos é o dever de ajudar.

Nunca te subordines às suas amarras.

Jamais a apliques contra alguém.

domingo, 29 de maio de 2016

O Homem Psíquico. A Hora Derradeira e o Julgamento

O Homem Psíquico. A Hora Derradeira e o Julgamento
O Homem Psíquico.
A Hora Derradeira e o Julgamento
O homem, nós o vimos, é um ser complexo. Três elementos nele se combinam para formar uma unidade viva; são eles: 

O corpo, envoltório material temporário, que abandonamos na morte, como uma vestimenta usada.

O perispírito, envoltório fluídico permanente, invisível aos nossos sentidos atuais, que acompanha a alma na sua evolução, com ela melhora-se e se purifica.

A alma, princípio inteligente, centro de força, foco da consciência e da personalidade.

Esses três elementos, matéria, fluido, inteligência, estreitamente ligados em nós para constituir a vida encontram-se na base da ordem universal, da qual são as substâncias fundamentais, os termos componentes. Fazem do homem uma redução do Universo, um microcosmo que encerra as mesmas potências e se submete às mesmas leis. Então, poder-se-ia acreditar que o conhecimento perfeito de nosso ser nos conduziria, por analogia, à compreensão das leis superiores do Universo; mas o conhecimento absoluto do homem escapa ainda aos pesquisadores. (...)

*

O que acontece no momento da morte e como o espírito desvencilha-se da sua prisão de carne? Que impressões, que sensações o esperam nesse instante temeroso? É isso que todos temos interesse em conhecer, pois todos faremos essa viagem. A vida pode nos escapar logo amanhã; nenhum de nós escapará da morte.

sexta-feira, 27 de maio de 2016

Antes do Berço

Antes do Berço
Antes do Berço
Antes do berço, quase sempre, conhece a alma humana, plenamente desperta, grande parte dos débitos que lhe induzem o coração a remergulhar nas forças do Plano Físico.

Muitas vezes com o auxílio dos benfeitores que endossam as novas experiências, contempla o quadro de provações em que testemunhará humildade e renúncia.

Muitos candidatos ao recomeço da aprendizagem na Terra, em semelhantes visões do limiar, tremem e choram, debatendo-se em clamoroso receio, acovardados à última hora.

É então que o afeto dos pais lhes confere doce refúgio.

No clima nutriente do lar, aquietam as próprias ânsias, refazendo-se à luz do entendimento e da prece, para o combate consigo mesmo na estrada redentora.

Entretanto, se pais e mães, nessa hora, surgem moralmente inabilitados, entre a indiferença e a discórdia, desajustes e enfermidades poderão sobrevir na grande passagem, porquanto o aborto e o desequilíbrio aparecerão aflitivos, sobrecarregando o nascituro de pesados gravames que, em muitas ocasiões, só a morte inesperada conseguirá reprimir.

quarta-feira, 25 de maio de 2016

As Leis da Comunicação Espírita

As Leis da Comunicação Espírita
As Leis da Comunicação Espírita
Sabemos que tudo vibra e irradia no Universo, pois tudo é vida, força, luz. Uma energia infinita, fonte de todos os fenômenos, penetra a Natureza, nos seus menores átomos. Assim também, cada espírito, livre ou encarnado, tem, conforme seu estado de adiantamento e de pureza, uma irradiação cada vez mais intensa, rápida, luminosa.

A lei das atrações e das correspondências rege todas as coisas; as vibrações, atraindo vibrações similares, reaproximam e unem os corações, os pensamentos, as almas.

Nossas cobiças, nossos maus desejos, criam em torno de nós uma atmosfera fluídica malsã, favorável à ação das influências de mesma ordem, enquanto que as elevadas aspirações atraem as vibrações poderosas, as irradiações das esferas superiores.

Tal é o princípio da evolução; ele reside no poder do ser de assimilar as forças misteriosas da Natureza, para se elevar, com seu auxílio, e ascender, de degrau em degrau, na direção da causa das causas, na direção da fonte inesgotável de onde provém toda vida.

A escala ascensional comporta planos sucessivos e superpostos; em cada um deles os seres são dotados do mesmo estado vibratório, de meios de percepção análogos que lhes permitem reconhecerem-se uns aos outros, enquanto permanecem invisíveis, e frequentemente até desconhecidos para eles, os seres dos planos superiores, em consequência de seu estado vibratório mais rápido e de suas condições de vida mais sutis e mais perfeitas.



Autor: Léon Denis
Do livro: No Invisível.

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Infância

Infância
Infância
“Quem acolher em meu nome uma criança é a mim que acolhe. “ Jesus (Marcos — 9:36).

Irmãos queridos,

Socorramos a infância desprotegida, abandonada, infelicitada pela indiferença daqueles que deveriam trabalhar em seu favor — pais, educadores, psicólogos…

Esse é o período mais importante para o Espírito renascente e, no momento atual, está sendo negligenciado.

Portanto, ninguém se espante se, nos dias futuros, a situação da sociedade se mostrar mais grave do que atualmente.

Devotem-se os mais esclarecidos a campanhas educativas; organizem-se os mais despertos, para construir algo que se erga como fonte de socorro real.

Empenhem-se todos em modificar as estruturas arcaicas do ensino sem, no entanto, substituí-las pelas ideias excessivamente modernas, que levam os pais e educadores a confundir respeito ao ser, com entrega total do ser aos seus instintos.

sábado, 21 de maio de 2016

A Vida no espaço e a erraticidade

A Vida no espaço e a erraticidade
A Vida no espaço e a erraticidade
Segundo algumas doutrinas religiosas, a Terra é o centro do Universo e o céu arredonda-se como abóbada acima de nós. É na sua parte superior, dizem, que se assenta a morada dos bem aventurados, e o inferno, habitação dos réprobos, prolonga suas sombrias galerias nas entranhas do próprio globo.

A Ciência moderna, de acordo com o ensino dos espíritos, mostrando-nos o Universo semeado de inumeráveis mundos habitados, trouxe um golpe mortal a essas teorias.

O céu está em toda parte; em toda parte o incomensurável, o insondável, o infinito; em toda parte um formigamento de sóis e de esferas, dentre os quais nossa Terra é apenas ínfima unidade.

No meio dos Espaços, não há mais moradas circunscritas para as almas. Tanto mais livres são quanto mais puras, percorrem a imensidão e vão onde as levam suas afinidades e suas simpatias. Os espíritos inferiores, entorpecidos pela densidade de seus fluidos, ficam como que pregados ao mundo onde viveram, circulando na sua atmosfera ou misturando-se aos humanos. (...)

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Jesus em casa

Jesus em casa
Jesus em casa
O lar é o santuário em que a bondade de Deus te situa. Dentro dele, nos fios da consanguinidade, recebes o teu primeiro mandato de serviço cristão.

É aí que te avistas com o adversário de ontem, convertido em parente próximo, e que retomas o contato de afeições queridas que o tempo não apagou...

O mundo é a grande ribalta dos teus ideais e convicções, mas o lar é o espelho para os testemunhos de tua fé.

Não olvides a necessidade de Cristo no cenáculo de amor em que te refugias.

Escolhe alguns minutos por semana e reúne-te com os laços domésticos que te possam acompanhar no cultivo da lição de Jesus.

Quanto seja possível, na mesma noite e no mesmo horário, faze teu círculo íntimo de meditação e de estudo.

Depois da prece com que nos cabe agradecer ao Senhor o pão da alma, abre as páginas do Evangelho e lê, em voz alta, algum dos seus trechos de verdade e consolo para o que receberás a inspiração dos Amigos Espirituais que te assistem.

Não é necessária a leitura por mais de dez minutos.

Em seguida, na intimidade da palavra livre e sincera, todos os companheiros devem expor suas dúvidas, seus temores e dificuldades sentimentais.

terça-feira, 17 de maio de 2016

O Critério da Doutrina dos Espíritos

O Critério da Doutrina dos Espíritos
O Critério da Doutrina dos Espíritos
O espiritualismo moderno baseia-se em um conjunto de fatos. Uns, simplesmente físicos, revelaram-nos a existência e o modo de ação de forças, durante muito tempo desconhecidas; outros têm um caráter inteligente. São eles: a escrita direta ou automática, a tiptologia, os discursos pronunciados em transe ou durante incorporação. Todas estas manifestações, nós as examinamos e analisamos alhures. Vimos que elas são frequentemente acompanhadas de marcas, de provas estabelecendo a identidade e
a intervenção de almas humanas que viveram na Terra e liberaram-se, através da morte.

Foi por intermédio destes fenômenos que os espíritos difundiram seus ensinamentos pelo mundo e estes ensinamentos foram, como o veremos, confirmados, em inúmeros pontos, pela experiência.

O novo espiritualismo dirige-se, portanto, ao mesmo tempo, aos sentidos e à inteligência. Experimental, quando estuda os fenômenos que lhe servem de base; racional, quando examina os ensinamentos que deles decorrem, constitui um instrumento poderoso para a pesquisa da verdade, já que pode servir simultaneamente em todos os domínios do conhecimento.



Autor: Léon Denis
Do livro: O Problema do Ser e do Destino

domingo, 15 de maio de 2016

Ante o Desequilíbrio

Ante o Desequilíbrio
“Pode-se dizer que o cretino e o idiota são estropiados do cérebro, como o manco o é das pernas e o cego dos olhos.” (Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, 1.ed. CELD. Questão 373, comentário.)

Que Jesus Cristo nos ajude e abençoe, agora e sempre!

Ouvimos falar das doenças que atingem o homem. Certamente, nosso coração, se ficou com o conhecimento do assunto, também participou, pela emoção, de tantas dores, tantas lutas por que alguns passam, diante da realidade de terem os seus entes queridos assoberbados por doenças de ordem mental.

Como fazer diante dessas almas tão angustiadas que se perderam no mundo e se envolveram no descontrole do pensamento?

Como fornecer a elas o amor necessário para que se sintam estimuladas a lutar e a curar-se? Como ajudar aqueles corações tão marcados pelo desequilíbrio interno, que fazem da vida um constante transtorno para os outros corações?

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Trabalho, Solidariedade, Continência

Trabalho, Solidariedade, Continência
Trabalho, Solidariedade, Continência
O trabalho é uma lei tanto para as humanidades quanto para as sociedades do Espaço. Desde o ser mais rudimentar até os espíritos angélicos que velam pelos destinos dos mundos, cada um faz sua parte no grande concerto universal.

Penoso e grosseiro para os seres inferiores, o trabalho suaviza-se à medida que a vida se depura. Torna-se uma fonte de prazeres para o espírito adiantado, insensível às atrações materiais, exclusivamente ocupado com estudos mais elevados.

É pelo trabalho que o homem doma as forças cegas da Natureza e preserva-se contra a miséria; é através dele que as civilizações se formam, que o bem-estar e a Ciência difundem-se.

O trabalho é a honra e a dignidade do ser humano. O ocioso que aproveita o labor dos outros, sem nada produzir, não passa de um parasita. Estando o homem ocupado pelas suas tarefas, suas paixões se calam. A ociosidade, ao contrário, desencadeia-as, abrindo-lhes um vasto campo de ação.

O trabalho é também um grande consolador, um derivativo salutar contra nossas aflições, contra nossas tristezas; acalma as angústias do nosso espírito e fecunda nossa inteligência. Não há dor moral, decepções, reveses que não encontrem nele um alívio; não há vicissitudes que resistam à sua ação prolongada. Aquele que trabalha tem sempre um refúgio seguro na provação, um verdadeiro amigo na aflição; não produz o desgosto da vida. Mas quão digna de piedade é a situação daquele em que as enfermidades condenam à imobilidade, à inação! Se esse homem sentiu a grandeza, a santidade do trabalho; se, além do próprio interesse, vê o interesse geral, o bem de todos, e quer nele contribuir, sofre uma das provas mais cruéis que podem estar reservadas a um ser vivente.

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Refletindo sobre a Família Universal

Refletindo sobre a Família Universal
Refletindo sobre a Família Universal
“Jesus não perdia nenhuma oportunidade para dar um ensinamento; portanto, aproveitou a que a chegada da sua família lhe oferecia para estabelecer a diferença que existe entre parentesco corporal e parentesco espiritual.” (Allan Kardec. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Cap. XIV, item 7, último §. CELD.)

Pela graça infinita de Deus, paz!

Balthazar, pela graça de Deus.

Tarefas como a da Obra Assistencial ensejam reflexões sobre a família universal; sobre a família que está próxima a nós e que atendemos; sobre a família espírita que se agrega à casa espírita buscando orientações, melhoria íntima, solução para os seus problemas, paz para o seu coração.

E as reflexões trabalham, andam, revolvem-se, no âmbito do sentimento do homem para com o próximo... Ninguém está sozinho na vida, nenhuma pessoa é uma ilha; ao contrário, todos nos interdependemos nas alegrias, na felicidade, também nas dores.

O momento da paz é compartilhado por todos, não somente porque vibramos com a paz do próximo, como também porque o próximo, estando em paz, influencia decisivamente o seu ambiente, o ambiente em seu derredor. O mesmo se dá com a alegria e igualmente com a dor.

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Dever Espírita

Dever Espírita
Dever Espírita
Com muita propriedade, afirmou Allan Kardec que os Espíritos elevados se ligam de preferência aos que procuram instruir-se. E quem busca instruir-se, escolhe o caminho do esforço máximo.

Todo educandário é instituto de disciplina.

Entretanto, aqui e ali, aparecem alunos viciados em recreio e preguiça, suborno e cola.

Estes, contudo, podem obter as mais brilhantes situações, no jogo das aparências, mas nunca o respeito e a confiança dos professores dignos do título que conquistaram.

Na Doutrina Espírita, escola maternal de nossas almas, há mais de um século surgem aprendizes de todas as condições.

Aos que pediam fenômenos para alicerçar a convicção, foi concedida pelos instrutores da Humanidade a mais alta cópia de francas demonstrações da sobrevivência.

As pesquisas rigorosamente científicas de William Crookes e as respostas positivas do Plano Espiritual valeram por insofismável testemunho da verdade, em benefício de todo o orbe, e, porque os discípulos da Nova Revelação se espalhassem por toda parte, as experiências foram examinadas e são, até hoje, reexaminadas, sob variada nomenclatura, em todas as direções.

sábado, 7 de maio de 2016

Somos Espíritos Imortais

Somos Espíritos Imortais
Somos Espíritos Imortais
“O espírito dispõe sempre das faculdades que lhe são próprias. Ora, não são os órgãos que dão as faculdades, e sim estas que impulsionam o desenvolvimento dos órgãos.” (Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, perg. 370.)

Que o amor único de Deus inspire todas as nossas almas para o bem!

Quantas vezes teremos olhado para nós mesmos e indagado: Por que tenho este corpo? Ou, olhando para um filho, perguntado: Quem será este que aqui está?

Diante da pessoa com quem convivemos, teremos dito: Quem será a alma que comigo compartilha a vida, a existência?

Quase sempre, o ser humano lança na conta de Deus suas lutas reencarnatórias, sem se dar conta de que elas são o resultado de suas decisões ao longo das existências. Dizemos, por exemplo, quando temos um filho, que foi Deus quem o mandou; que a esposa é aquela companhia de que se necessita; que o companheiro de vida foi destinado à criatura; enfim, lançamos na conta da Lei de Deus todas as possibilidades de vida em comum. Entretanto, a Doutrina Espírita, a pouco e pouco, esclarece o ser humano, dizendo-lhe, sempre e mais, das responsabilidades que a vida oferece.

quinta-feira, 5 de maio de 2016

O Egoísmo

O Egoísmo
O Egoísmo
O egoísmo é irmão do orgulho e procede das mesmas causas.

É uma das mais terríveis doenças da alma, o maior obstáculo aos aperfeiçoamentos sociais. Por si só neutraliza, torna estéreis quase todos os esforços do homem para o bem. Assim, o combate deve ser a preocupação constante de todos os amigos do progresso, de todos os servidores da justiça.

O egoísmo é a persistência desse individualismo feroz que caracteriza o animal, como um vestígio desse estado de inferioridade que já experimentamos. Mas o homem é, antes de tudo, um ser social; destinado a viver com seus semelhantes e nada pode sem eles. Abandonado a si mesmo, seria impotente para satisfazer suas necessidades, desenvolver suas qualidades.

Depois de Deus, é à sociedade que deve todos os benefícios da existência, todas as vantagens da civilização. Dela desfruta; mas, precisamente esse gozo, essa participação nos frutos da obra comum, impõem-lhe o dever de cooperar na própria obra. Uma estreita solidariedade liga-o a essa sociedade; deve a ela, como ela lhe deve. Permanecer inativo, improdutivo, inútil, no meio do trabalho de todos, seria um ultraje à moral, quase um roubo; seria aproveitar-se dos labores de outrem, aceitar um em préstimo que se recusa a restituir.

terça-feira, 3 de maio de 2016

A Piedade Filial

A Piedade Filial
A Piedade Filial
“É verdade que certos pais esquecem dos seus deveres (...); no entanto, é a Deus que compete puni-los e não a seus fi lhos; porquanto eles mesmos talvez tenham merecido que seus pais fossem assim.” (Allan Kardec. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Cap. XIV, item 3. CELD.)

Pela graça infinita de Deus, paz!

Balthazar, pela graça de Deus.

Ouvimos os comentários de hoje acerca da piedade filial. Isto quer dizer que todo filho deverá ter por seus pais o sentimento de amor, amparo e proteção, nas circunstâncias que se fizerem necessárias e durante o tempo que for possível.

Não raro, encontramos criaturas que heroicamente sustentam as lutas de um lar, não contando com o apoio de pai ou de mãe, os quais se tornam, algumas vezes, em verdadeiras expressões de desarmonia no lar.

Para esses pais deveremos ter a mesma posição de que nos fala o Evangelho, quando eles próprios não nos devolvem o carinho e às vezes até mesmo nos amaldiçoam?

Sim, principalmente para esses deveremos desenvolver o sentimento da pacificação, porque, quando eles agem assim, demonstram que são espíritos inferiores, sofredores e às vezes até maliciosos, mas eles nos deram a vida, a possibilidade de reencarnar.

domingo, 1 de maio de 2016

Fenômenos Espontâneos

Fenômenos Espontâneos
Fenômenos Espontâneos
O fenômeno das casas mal-assombradas é um dos mais frequentes e dos mais conhecidos. Encontramo-lo um pouco por toda a parte. São muito numerosos os lugares assombrados, as residências, cujas paredes, soalhos e móveis ecoam batidas e vibrações. Em certas casas, os objetos se deslocam sem contato; pedras lançadas por uma força desconhecida caem do exterior; ouvem-se o quebrar de louças, gritos, ruídos diversos, que incomodam e apavoram as pessoas impressionáveis.

Visitei algumas dessas habitações; fiz nelas estadas prolongadas e, quase sempre,constatei nelas a presença de seres invisíveis com quem era possível conversar, seja através da mesa, seja através da escrita medianímica. Nesses casos, eu era levado a reconhecer que os agentes das manifestações eram as almas de pessoas que tendo habitado nesses lugares, almas sofredoras, que procuravam chamar a atenção; muitas vezes, pensamentos socorredores e preces são suficientes para lhes dar satisfação. Alguns espíritos são conduzidos a essas casas pela lembrança de faltas longínquas; outros, pelo desejo de vingança; outros, ainda, pelo seu apego aos bens terrestres.



Autor: Léon Denis
Do livro: No Invisível

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...