terça-feira, 30 de agosto de 2016

Fé, Determinação e Amor

Fé, Determinação e Amor
Fé, Determinação e Amor
O Espiritismo não cria nenhuma nova moral, ele facilita aos homens a compreensão e a prática da moral do Cristo, dando uma fé sólida e esclarecida àqueles que duvidam ou vacilam. (Allan Kardec, O Evangelho Segundo o Espiritismo, 2.ed. Edições Léon Denis, 2003. Cap. XVII, item 4.)






Graças a Deus!

Balthazar, pela graça infinita de Deus.

Falamos da necessidade que o homem possui de desenvolver a fé, a determinação e o amor. Esses três pontos de vista, se encarados como estímulos de vida, ensinarão a todos os encarnados e desencarnados que precisamos fortemente conduzir os nossos destinos para o encontro de Deus.

Pela fé, encontramos a figura paternal de Deus e a do Mestre Jesus, que nos farão sentir não somente a sua presença, mas o seu amor e a força que nos conduzirá para todos os recantos do Universo, sempre buscando a elevação e o trabalho consequente, o trabalho da renovação.


Por outro lado, a determinação caracteriza aqueles que já sabem pensar o que querem. Quando o espírita e o cristão de um modo geral entenderem que o progresso de seu espírito será conseguido à custa do próprio esforço, o homem passará, determinadamente,a fazer todas as coisas necessárias para chegar ao grande objetivo, que será conseguido pela determinação, que é o de trabalhar em nome de Deus e para Deus.

Sem determinação, nada se consegue, nem mesmo se pode dizer que se alcançará o equilíbrio emocional. A determinação nos obriga a buscar o equilíbrio e a confiança, e a fazer com que o trabalho, o serviço no bem, seja realizado com tranquilidade, segurança e continuidade.

Por outro lado, o amor nos aproxima das criaturas: sem amor, não conseguiremos a proximidade de ninguém, tampouco desenvolveremos os próprios recursos do sentimento. Quem não for capaz de desenvolver o sentimento não servirá para conduzir ninguém, pois se pelo puro raciocínio as coisas andassem, melhor seria que a Terra fosse comandada por máquinas, porque, então, estas, sem paixões, nos conduziriam perfeitamente, sem margem de erro. Mas se isso ocorresse, o homem se sentiria infeliz por não poder expressar aquilo que vai dentro d’alma.

Portanto, o amor contempla também o sentimento da convivência sem intolerância nem vaidade. É necessário desenvolver, tanto quanto a fé, a determinação e o amor, com vistas ao progresso do homem, e só assim ele alcançará os pináculos do equilíbrio, na busca eternal de progresso, de amor, de caridade...

Que a vida que Deus nos dá seja bem aproveitada por todos aqueles que aqui estão, uma vez que, diante das lutas por que a sociedade terrena passa, diante das lutas por que as instituições passam, diante das lutas que em todas as casas existem, se não houver fé, determinação e amor, o homem não alcançará a paz tão necessária ao seu progresso.

Que Deus nos ajude a alcançar esse objetivo e nos traga sempre a sua paz!

Graças a Deus!

Balthazar, pela graça infinita de Deus.

Paz!


Autor: Balthazar
Do livro: Pela Graça Infinita de Deus – Volume 1. Lição 2

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...