segunda-feira, 31 de julho de 2017

A caridade

A caridade
A caridade
O homem caridoso faz o bem ocultamente; dissimula suas boas ações, enquanto que o vaidoso proclama o pouco que faz. “A mão esquerda deve ignorar o que dá a direita”, disse Jesus. “Aquele que faz o bem com ostentação já recebeu sua recompensa”.

Dar em segredo, ser indiferente aos elogios dos homens, é mostrar uma verdadeira elevação de caráter, é se colocar acima dos julgamentos de um mundo passageiro e procurar a justificação de seus atos na vida que não termina.

Nessas condições, a ingratidão, a injustiça não podem atingir o homem caridoso. Ele faz o bem porque é seu dever e sem esperar nenhuma vantagem, nenhuma recompensa; deixa à lei eterna o cuidado de fazer gotejar as consequências de seus atos, ou melhor, nem pensa nisso. É generoso. Para estimular os outros, sabe privar-se a si mesmo, ciente de que não há nenhum mérito em dar seu supérfluo. É por isso que o óbulo do pobre, a moeda da viúva, o pedaço de pão repartido com o companheiro de infortúnio, têm mais valor do que a generosidade do rico. O pobre, na sua penúria, pode ainda socorrer o mais pobre que ele.

domingo, 30 de julho de 2017

Obreiros atentos

Obreiros atentos
Obreiros atentos
O discípulo da Boa Nova, que realmente comunga com o Mestre, antes de tudo compreende as obrigações que lhe estão afetas e rende sincero culto à lei de liberdade, ciente de que ele mesmo recolherá nas leiras do mundo o que houver semeado. Sabe que o juiz dará conta do tribunal, que o administrador responderá pela mordomia e que o servo se fará responsabilizado pelo trabalho que lhe foi conferido. E, respeitando cada tarefeiro do progresso e da ordem, da luz e do bem, no lugar que lhe é próprio, persevera no aproveitamento das possibilidades que recebeu da Providência Divina, atencioso para com as lições da verdade e aplicado às boas obras de que se sente encarregado pelos Poderes Superiores da Terra.

Caracterizando-se por semelhante atitude, o colaborador do Cristo, seja estadista ou varredor, está integrado com o dever que lhe cabe, na posição de agir e servir, tão naturalmente quanto comunga com o oxigênio no ato de respirar.

Se dirige, não espera que outros lhe recordem os empreendimentos que lhe competem. Se obedece, não reclama instruções reiteradas, quanto às atribuições que lhe são deferidas na disposição regimental dos trabalhos de qualquer natureza. Não exige que o governo do seu distrito lhe mande adubar a horta, nem aguarda decretos para instruir-se e melhorar-se.

sábado, 29 de julho de 2017

Nos caminhos da fé

Nos caminhos da fé
Nos caminhos da fé
“Portanto, todo aquele que me confessar diante dos homens, também eu o confessarei diante de meu Pai que está nos Céus”. – Jesus (Mateus, 10:32).

No mundo, de modo geral, habituamo-nos a julgar que os testemunhos de fé prevalecem tão só nos momentos de angústia superlativa, quando o sofrimento nos transforma em alvo de atenções públicas.

Evidentemente, na Terra, as crises de aflição alcançam a todos, cada qual no tempo devido, segundo as lutas regeneradoras que se nos façam necessárias, no curso das quais estamos impelidos a entregar todas as energias de nosso espírito nos atos de fé. Entretanto, é preciso ponderar que somos incessantemente chamados a prestar o depoimento de confiança em Jesus, através de reduzidas parcelas de bondade e tolerância, compreensão e paciência diante das ocorrências desagradáveis do cotidiano, tais quais sejam:

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Perseverança em Servir

Perseverança em Servir
Perseverança em Servir
Que o amor único de Deus inspire todas as almas para o bem!

Meus irmãos, gostaria de lembrar-lhes o dever que a solidariedade fraterna impõe a todos os trabalhadores da casa espírita cristã. Recordemos, de passagem, que o espírita é verdadeiro cristão. Um e outro representam os paradigmas da caridade, do amor ao próximo.

Qual seria a medida que a espiritualidade aplicaria a um médium de uma instituição: medida de trabalho, de dever? É justamente a noção do amor ao próximo. O amor ao próximo é a grande medida que aplicamos para descortinar a capacidade de serviço de alguém. Renteando com esta noção, acrescentaríamos o sentido de cumprimento do dever, pois que o homem pode amar, mas ser parco na distribuição do auxílio, do trabalho, do bem. O cumprimento do dever, então, é um segundo item, que deve ser levado em conta por todos vocês. Finalmente, acrescentaríamos o espírito de renúncia, no seu amplo sentido; particularmente, de renúncia aos seus interesses pessoais, de modo que no amor, no dever, houvesse também a renúncia.(...)

terça-feira, 25 de julho de 2017

Estudar, Aprender, Trabalhar o Sentimento

Estudar, Aprender, Trabalhar o Sentimento
Estudar, Aprender, Trabalhar o Sentimento
Que o amor único de Deus inspire todas as almas para o bem!

Os homens desencarnam, as ideias permanecem. Muitas vezes, os indivíduos buscam fixar suas lembranças nos chamados túmulos suntuosos. Contudo, quando não possuem ideias, nada fica de referência a eles.

Há pessoas que tentam perpetuar conceitos, pensando ser esses conceitos a base total da vida e da realidade. Lutam, defendem ideias, proclamam verdades; mas, por esquecerem que são imortais e que, portanto, as ideias podem transformar-se no decorrer dos tempos, deixam de ser lembrados por aqueles que acompanham o progresso.

Assim, meus irmãos, procuremos sempre progredir, sempre estudar, sempre aprender, sempre trabalhar o próprio sentimento. Cada vez que nos adiantamos, diante do plano espiritual, é sinal de que construímos em nós uma base mais avançada de conhecimentos. E todas as vezes que o nosso conhecimento não seja suficiente, Deus nos coloca em condições de aprender mais.

domingo, 23 de julho de 2017

Orgulho, Riquiza e Pobreza

Orgulho, Riquiza e Pobreza
Orgulho, Riquiza e Pobreza
De todos os vícios, o mais terrível é o orgulho, pois semeia, na sua passagem, os germens de quase todos os outros vícios. Desde que tenha penetrado numa alma, assim como numa praça conquistada, estabelece-se como senhor, instala-se, aí, à vontade, fortificase ao ponto de se tornar inexpugnável. É a hidra monstruosa, sempre a procriar e cujos rebentos são monstruosos como ela.

Infeliz do homem que se deixou apanhar pelo orgulho! Só poderá libertar-se ao preço de terríveis lutas, depois de dolorosas provações, de existências obscuras, de um futuro todo de rebaixamento e de humilhação, pois aí está o único remédio eficaz para os males que o orgulho engendra.

Esse vício é o maior flagelo da Humanidade. Dele procedem todas as discórdias da vida social, as rivalidades de classes e de povos, as intrigas, o ódio e a guerra. Inspirador das loucas ambições, o orgulho tem coberto a Terra de sangue e de ruínas; e é ainda ele que causa nossos sofrimentos de além-túmulo, pois seus efeitos estendem-se além da morte, até sobre nossos destinos longínquos.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Aos Médiuns da Cura

Aos Médiuns da Cura
Aos Médiuns da Cura
Que a bondade de Deus esteja com todos vocês, caros filhos; que a luz dos céus também esteja com todos.

Estamos nos dirigindo a vocês, lembrando certos objetivos essenciais para tarefas como a cura.(...)

As necessidades orgânicas, todos já conhecem: alimentação sadia, ausência de álcool — tanto a bebida dita social, quanto qualquer bebida que contenha álcool — o médium deve se precatar.(...)

Será que é apenas o desejo de, vez em quando, escapar da linha; seria? Será o quê? Indaguem, antes de qualquer resposta.

Temos também os cuidados espirituais: dentre todos o que mais necessita ter um médium é a mente limpa de orgulho, de malquerenças. Precisamos da mente de vocês equilibrada, o clima mental de todos deve ser de pacificação, voltado para o bem. Médium de mente indisciplinada, nervosa, teimosa; médium suscetível, vaidoso, descontrolado; médium desarmonizado internamente não permite que as forças fluam através de seu corpo, porque formam barreiras; e como não temos tempo para superar estas barreiras, muitas das vezes temos então que tirar fluido materializado de vocês, sem que vocês o percebem. Não participam vocês com a mente e quando isso acontece o médium não cresce. E se vocês sabem de tudo isso, por que isso acontece? Falta de confiança em Deus?(...)

Preciso é ainda que aprendam que este é um trabalho que exige o aprimoramento físico e espiritual pelo médium, que deve estar voltado apenas ao objetivo da cura.(...)

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Medicamento Eficaz

Medicamento Eficaz
Medicamento Eficaz
Desde que o clarão estelar do Espiritismo norteia tua vida, abrindo clareiras luminosas no matagal por onde avanças, em plena vilegiatura carnal, ama aos espíritos árduos que te seguem em pós, na intimidade do ninho doméstico ou em volta das tuas relações. 

O obsessor ultriz, que zurze o açoite da impiedade, quando no além, ao se reemboscar no invólucro de cinza e lama, que se torna matéria, não modifica a estrutura do próprio caráter. 

Impulsionado pela lei ao renascimento junto ao teu coração, esse cobrador insaciável é a tua vítima dantanho, exigindo-te humildade e resgate. 

Amarga as tuas horas; inutiliza os teus melhores planejamentos; inquieta os teus momentos de paz; sombreia o sorriso nos teus lábios antes que irrompa; avinagra o sabor dos teus sonhos; impiedoso, é fiscal e cobrador que não cessa de exigir. 

Se o encontrasses no santuário mediúnico certamente terias comiseração e piedade, oferecendo-lhe o perdão de que tem necessidade, em bagatelas de entendimento fraternal. 

Faze de conta que o corpo de que ele se utiliza, oferece uma psicofonia atormentada de longo curso. 

Doutrina-o com o silêncio da resolução firme. 

Esclarece-o com o verbo eloquente da paciência. 

Ilumina-o com a claridade da tua fé regeneradora. 

segunda-feira, 17 de julho de 2017

O Evangelho e a Mulher

O Evangelho e a Mulher
O Evangelho e a Mulher
“Assim devem os maridos amar a suas próprias mulheres, como a seus próprios corpos. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo.” – Paulo. (Efésios, 5:28.)


Muita vez, o apóstolo dos gentios tem sido acusado de excessiva severidade para com o elemento feminino. Em alguns trechos das cartas que dirigiu às igrejas, Paulo propôs medidas austeras que, de certo modo, chocaram inúmeros aprendizes. Poucos discípulos repararam, na energia das palavras dele, a mobilização dos recursos do Cristo, para que se fortalecesse a defesa da mulher e dos patrimônios de elevação que lhe dizem respeito. 

Com Jesus, começou o legítimo feminismo. Não aquele que enche as mãos de suas expositoras com estandartes coloridos das ideologias políticas do mundo, mas que lhes traça nos corações diretrizes superiores e santificantes. 

sábado, 15 de julho de 2017

Justiça, Solidariedade, Responsabilidade

Justiça, Solidariedade, Responsabilidade
Justiça, Solidariedade, Responsabilidade
A lei de justiça não é senão o funcionamento da ordem moral universal e as penas, os castigos representam a reação da Natureza ultrajada e violentada nos seus princípios eternos. As forças do Universo são solidárias, repercutem-se e vibram em uníssono. Todo poder moral reage sobre aquele que a viola, proporcionalmente ao seu modo de ação. Deus não fere a ninguém. Deixa ao tempo o cuidado de fazer gotejar os efeitos de sua causa.

O homem é, portanto, seu próprio justiceiro, pois segundo o uso e abuso que faz da sua liberdade, torna-se feliz ou infeliz. O resultado de seus atos se faz, às vezes, esperar. Vemos nesse mundo culpados amordaçarem sua consciência, riremse das leis, viverem e morrerem honrados. Por outro lado, homens honestos perseguidos pela adversidade e a calúnia! Daí, a necessidade das vidas futuras, no decorrer das quais o princípio de justiça encontra sua aplicação e o estado moral do ser, seu equilíbrio. Sem esse complemento necessário, a existência atual não teria sentido e quase todos os nossos atos estariam despojados de sanção.

Na realidade, a ignorância é o mal soberano, de onde decorrem todos os outros males. Se o homem visse distintamente a consequência de seus atos, sua conduta seria diferente. Conhecendo a lei moral e sua aplicação inelutável, não mais procuraria violá-la, o que seria querer resistir às leis de atração ou da gravidade.



Autor: Léon Denis
Do livro: Depois da Morte

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Perante a Própria Doutrina

Perante a Própria Doutrina
Perante a Própria Doutrina
Apagar as discussões estéreis, esquivando-se à criação de embaraços que prejudiquem o desenvolvimento sadio da obra doutrinária.

O espírito da verdadeira fraternidade funde todas as divergências.

Não restringir a prática doutrinária exclusivamente ao lar, buscando contribuir, de igual modo, na seara espírita de expressão social, auxiliando ainda a criação e a manutenção de núcleos doutrinários no ambiente rural.

Todos estamos juntos nos débitos coletivos.

Orar por aqueles que não souberem ou não puderem respeitar a santidade dos postulados espíritas, furtando-se de apreciar-lhes a conduta menos feliz, para não favorecer a incursão da sombra.

O comentário em torno do mal, ainda e sempre, é o mal a multiplicar-se.

Desapegar-se da crença cega, exercitando o raciocínio nos princípios doutrinários, para não estagnar-se nas trevas do fanatismo.

Discernimento não é simples adorno.

Antes de criticar as instituições espíritas que julgue deficientes, contribuir, em pessoa, para que se ergam a nível mais elevado.

Quem ajuda, aprecia com mais segurança.

terça-feira, 11 de julho de 2017

Sobrevivência

Sobrevivência
Sobrevivência
A todos os que, nas linhas do Cristianismo contemporâneo, hostilizem a ideia da sobrevivência, diante de mediunidades e médiuns, respondamos com o testamento do próprio Cristo.

 * 

A face desse impositivo, respinguemos, do texto da Boa Nova, o seguinte trecho de importante carta elucidativa: 

“— Notifico-vos também, irmãos, o Evangelho que já vos tenho anunciado, que também já recebestes e no qual vos mantendes, se não guardais a crença morta. 

Entreguei-vos, primeiro, a certeza que igualmente recebi, a certeza de que Jesus morreu por amor a nós todos, de que foi sepultado e de que ressuscitou, ao terceiro dia, conforme as Escrituras. 

Logo após, foi visto por Cefas, pelos doze companheiros que lhe eram familiares e, em seguida, por mais de quinhentos irmãos, dos quais a maior parte ainda permanece, junto de nós, neste mundo. 

domingo, 9 de julho de 2017

Serve e Encontrarás

Serve e Encontrarás
Serve e Encontrarás
Examina a Natureza que te cerca no mundo. 

Tudo é riqueza e esforço laborioso por assegurá-la. 

O solo ferido pelo arado é berço prodigioso da produção. 

A árvore, mil vezes dilacerada, orgulha-se de sofrer e ajudar mais. 

A fonte, superando os montões de seixos, pouco a pouco, alcança o grande rio, a caminho do mar.

Algumas sementes formam a base preciosa da floresta. 

Pedras agressivas se convertem em obras-primas da estatuária, quando não vertem do solo, a faiscante beleza do material de ourivesaria. 

Animais humildes, padecendo e ajudando, garantem o conforto das criaturas contra a intempérie ou alimentando-lhes o corpo, sustentando-lhes a existência.

A pobreza é simples apanágio do homem – do homem enquanto se refugia, desassisado, na furna da ignorância. 

Somente a alma humana distanciada do conhecimento superior assemelha-se a um fantasma de angústia, penúria e lamentação... 

sexta-feira, 7 de julho de 2017

A Pluralidade dos Mundos Habitados

A Pluralidade dos Mundos Habitados
A Pluralidade dos Mundos Habitados
Se tudo começasse por nós com a vida atual, como explicar tanta diversidade nas inteligências, tantos graus na virtude ou no vício, tantos degraus nas situações humanas? Um mistério impenetrável pairaria sobre esses gênios precoces, sobre esses espíritos prodigiosos que, desde sua infância, lançaram-se com ímpeto nas veredas da arte e da Ciência, enquanto tantos jovens empalidecem no estudo e permanecem medíocres, apesar dos seus esforços. 

Todas essas obscuridades se dissipam diante da doutrina das existências múltiplas. Os seres que se distinguem pelo seu poder intelectual ou suas virtudes, viveram mais, trabalharam mais, adquiriram uma experiência e aptidões mais vastas. 

Os progressos e a elevação das almas dependem unicamente de seus trabalhos, da energia ostentada por elas no combate da vida. Umas lutam com coragem e franqueiam rapidamente os degraus que as separam da vida superior, enquanto outras se imobilizam durante séculos através de existências ociosas e estéreis. Mas essas desigualdades, resultado de ações do passado, podem ser resgatadas e niveladas através de nossas vidas futuras. 

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Revelação

Revelação
Revelação
Filhos, quantos permanecem na expectativa de novas revelações do Mundo Espiritual por suplemento da fé, olvidam que o Evangelho continua sendo a mensagem inédita da vida que todos carecemos assimilar. 

A Ciência, sem dúvida, desvendará aos homens novos caminhos e a luz da Verdade gradativamente resplandecerá para as criaturas, todavia os preceitos básicos para a felicidade humana se resumem na lição do amor que o Cristo ensinou à Humanidade. 

O maior desafio para o homem não se constitui na conquista do Cosmos ou no pleno conhecimento das leis que regem o mundo material: o seu maior desafio é a conquista de si mesmo, no domínio mais amplo das próprias emoções e dos pensamentos que se originam em seu mundo íntimo. 

A aplicação das virtudes cristãs no cotidiano — paciência, perdão e solidariedade —, ontem quanto hoje, dentre outras, é constante apelo à autossuperação que a cada dia se renova. 

Tendo-nos sido legado há dois mil anos, o Evangelho não perde atualidade, porquanto as palavras do Cristo, expressando a Verdade, que jamais se altera, são de vida eterna. Assim, não condicioneis a vossa crença na Doutrina às revelações que vos sejam formuladas sem critério pelos que habitam as dimensões da Vida Mais Alta. 

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Advertência

Advertência
Advertência
Em descobrindo a paz que a Casa Espírita nos faculta pela chance de uma visão nova a respeito da vida, do sofrimento, das provas ou até mesmo, das alegrias, nós nos envolvemos na ânsia de produzir o Bem dentro dela, assim como o jardineiro, que, ao descobrir uma terra generosa, lança as sementes e se dedica ao seu cultivo para que elas não venham a fenecer. 

No entanto, não basta desejar fazer o Bem, envolvendo-nos nas tarefas ou desenvolvendo os dons mediúnicos ou ainda, atendendo solícitos à pobreza. 

É necessário estarmos atentos a outros pontos essenciais para a preservação da Casa a que nos vinculamos a fim de que, dentro do trabalho que realizamos, sejamos permanentes pontos de equilíbrio, pois que, sem esse cuidado, o trabalho realizado pode se converter, apesar de tudo, em motivos de desajustes, não somente em nós como nos outros: 

A Crítica — criticar construtivamente é observar os erros e sugerir os acertos sem imposições. 

O Julgamento — por vezes, precisamos analisar os fatos, entretanto, devemos nos abster de julgar os que contribuíram para que eles ocorressem. A análise criteriosa nos leva a dar-lhes a interpretação correta, corrigindo as distorções sem atingirmos os companheiros que, por infelicidade os causaram, evitando assim que neles se instalem complexos de culpa, que só lhes agravaria a situação consciencial. 

sábado, 1 de julho de 2017

Êxitos e Insucessos

Êxitos e Insucessos
Êxitos e Insucessos
Em cada comunidade social existem pessoas numerosas, demasiadamente preocupadas quanto aos sucessos particularistas, afirmando-se ansiosas pelo ensejo de evidência. São justamente as que menos se fixam nas posições de destaque, quando convidadas aos postos mais altos do mundo, estragando, desastradamente, as oportunidades de elevação que a vida lhes confere. 

Quase sempre, os que aprenderam a suportar a pobreza é que sabem administrar, com mais propriedade, os recursos materiais. 

Por esta razão, um tesouro amontoado para quem não trabalhou em sua posse é, muitas vezes, causa de crime, separatividade e perturbação. 

Pais trabalhadores e honestos formarão nos filhos a mentalidade do esforço próprio e da cooperação afetiva, ao passo que os progenitores egoístas e descuidados favorecerão nos descendentes a inutilidade e a preguiça. 

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...