segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Mediunidade e Fidelidade


Mediunidade e Fidelidade
Todos destacamos a excelência da mediunidade nas demonstrações da sobrevivência.

Um companheiro apresenta sinais evidentes de força psíquica em exteriorização e reconhecemos nele um instrumento potencial para as manifestações de espiritualidade.

Inclinamo-lo a apassivar-se, diante das inteligências desencarnadas que o cercam e, quase sempre, exortamo-lo a regimes de adestramento físico para que se lhe ajustem as possibilidades orgânicas ao comando das entidades que lhe influenciam a mente.

Bastará, no entanto, apenas isso?

Que dizer de alguém que viesse a fabricar valioso automóvel sem a menor preocupação de preparar um motorista adequado à máquina, com a prática do manejo de suas peças e com todos os conhecimentos da sinalização necessária do trânsito?


Atendamos à mediunidade desenvolvida, mas de que vale o aparelho medianímico sem a orientação daquele
que responderá por seu uso?

Assim é que não basta possuir mediunidade ou exercitá-la para corresponder com ela aos desígnios edificantes da Doutrina Espírita.

Necessário saiba o médium que aptidões estabelecem responsabilidades e que responsabilidades honorificadas pelo trabalho construtivo ou menosprezadas por atividade menos digna geram, respectivamente, o auxílio dos poderes que elevam a vida ou a companhia dos agentes que a rebaixam.

O médium, quem quer que seja, é alguém observado e aproveitado pelos espíritos desencarnados com os quais se afina. Daí não serem suficientes os valores mediúnicos que detém.

Imprescindível se eduque, estudando e raciocinando, melhorando conhecimentos e apurando atitudes, principalmente aceitando em si e por si a felicidade de servir na construção da felicidade dos outros.

Somos defrontados no mundo de hoje por esse problema fundamental no intercâmbio entre encarnados e desencarnados.

Mediunidade é talento comum a todos.

Desenvolver a mediunidade exige apenas decisão.

Espíritos instrutores todos os médiuns os possuem.

Entretanto, raros, muitos raros, são os médiuns que mostram bastante fidelidade para viver com eles...


Autor: André Luiz
Do livro: Sol nas Almas

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...