segunda-feira, 26 de março de 2012

Prosseguindo na Vida


Prosseguindo a vida
No estudo da palpitante questão da morte, muitas pessoas se detêm apenas no fenômeno biológico da desintegração molecular, que lhes impede a permanência, por mais largo tempo, guindadas ao carro do prazer.

Consideram-na como sendo o fim da existência do ser eterno, e não se permitem auscultar a Natureza onde se expressam os mais vibrantes quadros de transformação, de morte para imediato renascimento, ensinando a perenidade do fluxo vital em intérminos processos da renovação.

Aqui, aparece o córrego transparente e cantante; ali, se alarga o pântano estagnado e morto.

À frente, a árvore estuante e pejada de frutos; ao lado, o sarçal requeimado pelo Sol, quase sem vida.

Em uma área fresca, a abundância da horta abençoada; noutro espaço, o deserto árido...


Uns e outros, aguardando trabalho, retificação e apoio, a fim de manterem o milagre da vida.

No corpo em que te movimentas, a morte das células e moléculas é constante, sem que se altere a vida, em contínua transformação.

Age, pois, conscientemente, de modo que te não convertas, atraído pelo utilitarismo, em parasita sugador dos recursos vitais, a um passo da cadaverização moral, que é uma forma de morte na vida...

Morrer é viajar no rumo de novos comportamentos.

Porque traz de volta o viajante, que partiu para a aprendizagem terrena, é natural que ele seja convidado, quando do retorno, a exame e prestação de contas dos recursos aplicados e dos resultados conseguidos durante o curso terrestre.

Recuperada a lucidez, faz-se mais severo o critério pessoal de avaliação dos atos.

Passada a oportunidade, compreende-se-lhe melhor o alto significado de que se revestiu.

Concluída a luta, é mais fácil de serem examinados os seus lances.

Desse modo, enquanto te encontras na dádiva do corpo, utiliza-te de todos os momentos para dignificar-te, agindo com sentimentos elevados e aprendendo com sacrifício.

Respeita o tempo de que dispões, entesourando os valores morais que podem ser investidos em obras de duração eterna, porquanto, em ti chegando a morte, queiras ou não, creias ou lhe abomines a realidade, despertarás, prosseguindo na vida, conforme a forjaste anteriormente.




Autor: Joanna de Ângelis
Do livro: Luz da Esperança

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...