domingo, 9 de junho de 2013

Conduta

Conduta
Conduta
O médium não é pessoa diferente das outras, mas a sua conduta não pode ser vulgar. 

O médium há de esforçar-se para ser coerente em sua 

vida particular com o ideal de fé que abraçou. 

O compromisso espiritual do médium não deve limitar-se aos seus contatos esporádicos com os espíritos. 

O médium não necessita ser moralista, ostentando falsas virtudes, mas não pode descurar de moralizar-se.

O médium, onde estiver, será um propagandista da crença na imortalidade, devendo endossá-la através de conduta consentânea com os nobres princípios a que se filia. 

Evitará, portanto, conversações inúteis e anedotário deprimente, gargalhadas sem propósito e atitudes inconvenientes. 


Abraçar a mediunidade significa abraçar uma vida diferente, à luz do Evangelho Redivivo. 

Ser médium não confere ao médium privilégio de qualquer natureza, principalmente o de continuar com os 
vícios do “homem velho”. 

Assim nos referimos, porquanto são muitos os medianeiros que advogam para si o “direito de errar,” escorados no sofisma de que ainda se encontram muito longe da perfeição. 

A única concessão que o médium deve permitir-se é a de ocupar nas boas obras todo o tempo que lhe seja disponível, com o intuito de preservar-se da possibilidade de queda na tentação. 

Sem fanatismo, mas também sem invigilância, que o médium atente para a sua conduta diante dos olhos dos 
homens e dos espíritos. 



Autor: Odilon Fernandes
Do Livro: ABC da Mediunidade

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...