quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Imagina


Imagina-te possuindo irmãos furtados do lar quando pequeninos.

Arrebatados ao teu afeto, foram aprisionados e cresceram em regime de cativeiro, quais bois na canga, conduzindo a cabeça do arado ou sustentando a moenda.

Traficados como alimárias, erguiam-se com a aurora e suavam no eito, enquanto o dia tivesse luz.

Se doentes, tinham remédios nas próprias lágrimas.

Se chorosos, recebiam chicotadas para consolo.

Embora amassem profundamente aos seus, eram constrangidos a contemplar, soluçando, as próprias esposas vendidas a mãos mercenárias e os tenros filhinhos entregues à lavagem amontoada no cocho.


Desejariam estudar, mas eram propositadamente arredados da escola.

E se mostrassem qualquer anseio de liberdade, eram postos a ferro e varados até a morte...

Imagina igualmente que esses irmãos menos felizes, criados distantes de teu carinho, se comunicassem do plano espiritual com as criaturas terrestres e fossem motivo de hilaridade pela linguagem primitivista em que ainda se expressam.

Pensa neles como estando ainda algemados aos caprichos daqueles mesmos que lhes deviam respeito e renovação, e que continuam a tê-los como cães amestrados para objetivos inferiores.

Explorados em seus bons sentimentos, em regressando ao mundo onde foram supliciados na confi ança ingênua, são mantidos, em espírito, como vítimas e jograis.

Imagina tudo isso e sentirás o coração confranger-se de imensa dor, ao ver companheiros desencarnados iludidos na boa-fé.

Longe de explorá-los com perguntas indiscretas e ordenações deprimentes, saberás ajudá-los pela bênção do amor.

E entenderás, então, que, se todos endereçamos aos instrutores da vida maior petitórios constantes de socorro e de paciência, cada um deles também diante de nós, exibe no coração as quatro palavras de nossa velha súplica:

– “Tem dó de mim”!



Autor: Emmanuel
Do Livro: Seara dos Médiuns,

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...