quarta-feira, 11 de maio de 2016

Refletindo sobre a Família Universal

Refletindo sobre a Família Universal
Refletindo sobre a Família Universal
“Jesus não perdia nenhuma oportunidade para dar um ensinamento; portanto, aproveitou a que a chegada da sua família lhe oferecia para estabelecer a diferença que existe entre parentesco corporal e parentesco espiritual.” (Allan Kardec. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Cap. XIV, item 7, último §. CELD.)

Pela graça infinita de Deus, paz!

Balthazar, pela graça de Deus.

Tarefas como a da Obra Assistencial ensejam reflexões sobre a família universal; sobre a família que está próxima a nós e que atendemos; sobre a família espírita que se agrega à casa espírita buscando orientações, melhoria íntima, solução para os seus problemas, paz para o seu coração.

E as reflexões trabalham, andam, revolvem-se, no âmbito do sentimento do homem para com o próximo... Ninguém está sozinho na vida, nenhuma pessoa é uma ilha; ao contrário, todos nos interdependemos nas alegrias, na felicidade, também nas dores.

O momento da paz é compartilhado por todos, não somente porque vibramos com a paz do próximo, como também porque o próximo, estando em paz, influencia decisivamente o seu ambiente, o ambiente em seu derredor. O mesmo se dá com a alegria e igualmente com a dor.


A dor, quando atinge um dos nossos, parece que chega até nós. Por mais indiferentes que tentemos ser, não se pode esquecer de que a dor do semelhante, cedo ou tarde, se refletirá em nosso coração, tornando-nos tristes também, ou, pelo menos, preocupados.

Com os estudos espíritas, com a visão cristã da vida, a pouco e pouco, aprendemos a compartilhar ideias, a compartilhar problemas e buscar soluções para todos os que envolvem a humanidade. Por mais difíceis que sejam, eles têm solução. Pais, filhos, irmãos, companheiros de dentro do lar, todos os que passam por graves dificuldades morais, de doença, financeiras, todos eles encontrarão solução para os seus problemas, por si sós, mas ajudados por cada um em particular.

Se a busca é individual, o apoio é coletivo.

Se o homem trabalha por si mesmo, nem por isso dispensa o amor do semelhante para ajudá-lo na solução de seus problemas.

A nós, que constituímos a família espírita, cabe-nos uma tarefa mais importante ainda: além de auxiliar o semelhante, auxiliamos de vontade própria, sem desejar outra coisa senão o prazer de servir. Mais ainda, por compreendermos a existência do plano espiritual, que, às vezes, é composto por espíritos cobradores, em situações infinitamente infelizes, procuramos rezar, também, pela solução das dificuldades daqueles que já perderam o corpo de carne e que necessitam de tanta paz quanto os que ainda sofrem encarnados.

Cada dia é dia de transformação.

Cada momento é momento do aperto de mão.

Cada hora é a hora da solidariedade.

Assim, compreendendo que o homem sofre na Terra e no plano espiritual, o espírita não somente ajuda com vistas ao horizonte que alcança com os seus olhos físicos, mas, igualmente, vislumbra o horizonte infinito composto de camadas espirituais que estão acima de sua mente, de sua cabeça, mas igualmente existem.

Dor de perdas, dirijamo-nos ao mais além.

Soluções materiais, pensemos ao alcance dos nossos olhos.

Ninguém trabalha sem pensar em como está trabalhando. Ninguém age sem saber como agir ou por que agir.

O convite ao estudo e à meditação que as casas espíritas fazem é justamente para trazer oportunidade às criaturas de pensar de modo mais decisivo em favor do equilíbrio da humanidade.

Pertencendo a uma grande família espiritual, busquemos cada um de nós sorver do mais além as forças que já conseguimos alcançar e as distribuamos para nós e para os que estão ao nosso lado, de forma a pensar assim: Que Deus nos abençoe, mas abençoe o próximo também! Que Deus nos ajude, mas que ajude quem está do nosso lado também! Que Deus nos cure, mas que cure também aquele que sabemos sofrer!

Com os pensamentos envolvidos na paz, sigamos adiante, sempre recordando que Jesus é o Mestre, o Senhor. Deus é o Pai. E cada um de nós é foco de luz, que pode resplandecer e iluminar aquele que está mais próximo.

Assim o fazendo, ajudaremos essa sociedade humana a se transformar e a criar dentro dela ideias e ideais superiores, em torno da luz.

Graças a Deus!

Balthazar, pela graça infinita de Deus.



Autor: Balthazar
Do livro: Pela Graça Infinita de Deus, vol. 3.

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...