sábado, 5 de maio de 2012

Ausência de notícias

Ausência de notícias
“Entre as causas que podem opor-se à manifestação de um espírito, umas lhe são pessoais e outras, estranhas. Entre as primeiras, é preciso colocar suas ocupações ou as missões que desempenha e das quais não pode desviar-se para ceder aos nossos desejos; neste caso, sua visita fica, apenas, adiada.” (O Livro dos Médiuns, cap. XXV, Segunda Parte, item 275.)

Embora permaneçam vinculados à Terra, nem todos os espíritos encontram-se em condições de comunicar-se mediunicamente com os que se demoram no campo da luta física. Nem médiuns para tal cometimento teríamos em número suficiente, se os espíritos pudessem se manifestar como desejariam...

Quando desencarnam, os espíritos prosseguem em suas atividades no Mundo Espiritual: alguns ascendem a regiões superiores da vida, em obediência aos impositivos da própria evolução, e outros precipitam-se nas regiões infelizes de onde não conseguem se ausentar com facilidade.


Algemados a preconceitos de caráter religioso, dos quais não se libertam mesmo depois da morte, alguns espíritos recusam-se a “voltar” e a manter contato com os que procuram saber como estão; outros, reencontrando antigas afinidades, como que se “esquecem” dos laços consanguíneos a que se prenderam por determinado tempo... 

Alguns, se se manifestassem, certamente haveriam de complicar a situação dos que pelejam no mundo culpando-os pelas dificuldades que faceiam deste outro lado da vida; outros abordariam assuntos “censurados” pelos Benfeitores Espirituais, de vez que não lhes assiste o direito de se utilizar de um médium para intraquilizar os homens... 

Alguns simplesmente não se expressam porque, dentro de um período relativamente curto, são reconduzidos à reencarnação, e outros, em se vendo fora do corpo, se revelam indiferentes aos companheiros da retaguarda material... 

Allan Kardec, em O Livro dos Médiuns, faz uma consideração de suma importância: “...uma primeira conversa não é sempre tão satisfatória como se poderia desejar, e é por isso também que os próprios espíritos, frequentemente, pedem para serem chamados de novo”. Pode acontecer, portanto, que numa primeira comunicação o espírito deixe a desejar; somente com o tempo, criando uma sintonia maior com o médium, ele irá se soltar mais, conseguindo expressar-se com o desembaraço necessário.(...) 

Somos de opinião que, de um modo geral, as pessoas deveriam evitar obter diversas mensagens de um mesmo espírito, através de médiuns diferentes. Temos visto muita gente perder a fé por isso. Julgando os referidos comunicados contraditórios, porque não possuem o indispensável conhecimento doutrinário para discerni-los, acabam cavando o abismo da própria descrença.


Autor: Odilon Fernandes
Do livro: Mediunidade e Evangelho

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...