segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Infortúnio Real

Infortúnio Real
Infortúnio Real
Exagera-se muito a respeito do infortúnio, quando algo de desagradável acontece perturbando o ritmo normal da vida de alguém. 

A maioria das criaturas, em razão do enfoque equivocado a respeito da felicidade, sente-se desventurada, afirmando que a sua existência corporal deveria transcorrer tranquila, sem acidente de natureza alguma, de modo a ser considerada venturosa. 

Quaisquer transtornos financeiros ou sociais, as dificuldades de relacionamento ou desequilíbrios orgânicos, a solidão ou os sofrimentos num dos seus variados matizes, logo são levados a conta de infortúnio, de desgraça.

Sem resistências morais para enfrentar as vicissitudes naturais do processo evolutivo, tais pessoas deixam-se consumir pela revolta ou sucumbem sob o peso da depressão e da amargura.

***

Quantas alegrias malsãs transformam-se, com o tempo, em desar e problema?


Quantas conquistas logradas agora, a alto preço, serão tormento constante amanhã?

Quantos sorrisos no começo terminam em lágrimas?

As consequências dos atos dão-lhes a dimensão, o valor legítimo do seu significado.

Quando nobremente realizados, resultam positivos, mesmo que, de início, constituam sacrifício e abnegação.

Aqueles, no entanto, que acarretam padecimentos para o próximo, embora proporcionem momentâneo bem-estar ao seu usuário, sim, são as verdadeiras matrizes do infortúnio real, porque retornarão à origem, carregados de desdita, impondo retificação (...)

Não são os fatores externos os responsáveis pelo sucesso ou fracasso; mas a atitude íntima do homem, face aos acontecimentos que o envolvem.

***

Muitas vezes, o infortúnio está na riqueza, em razão da forma como é aplicada, gerando miséria e dor em derredor, ao mesmo tempo embriagando de orgulho o seu detentor temporal.

O mesmo se dá com a pobreza, que recebida com resignação, converte-se em tesouro de incalculáveis bens para quem a experimenta.

***

Aqueles que hoje choram, confiantes no amanhã e em paz, sorrirão mais tarde.

Aqueloutros que sorriem agora, tripudiando sobre os padecentes, virão a chorar, pois que são, em verdade, as vítimas do infortúnio real, que não souberam ou não quiseram superar.




Autora: Joanna de Ângelis
Do Livro: Luz da Esperança.

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...