segunda-feira, 25 de junho de 2018

A Vida

A Vida
A Vida
Vida eterna!... Vida universal!... Vida espiritual!

Vida eterna, quer dizer, Deus! Quer dizer este Ser, este Princípio de tudo, sem começo e sem fim, sem forma compreensível para a criatura imperfeita!

Perfeição absoluta, envolvendo os universos sob seu olhar e os renovando por um ato de sua vontade de um poder sem limites!

Deus, Ciência infinita e insondável! Deus, assistindo à formação, ao progresso, ao aperfeiçoamento dos mundos ao mesmo tempo que à eclosão de uma centelha, de um gérmen anímico, nas suas diferentes vidas, na sua marcha ascendente para Ele, Perfeição infinita!

Deus! Pensamento, Inteligência, Amor! Deus Vida e Vida eterna! Deus, Princípio de tudo, Alma das almas! Deus Começo e Fim!

Hoje, graças a nova fé da qual vocês são adeptos, procurar-se Deus de outra maneira que não por uma comparação humana. Com um passo temeroso ainda, a humanidade se adianta, e, começando a compreender, ela começa a amar!


Deus, Vida eterna por si mesmo, dissemos, e no conjunto de sua criação, Vida universal!

Vida, desde o grão de areia até o homem, vida do planeta e vida do mineral, vida na terra e nos ares, vida através dos fluidos e vida na matéria! Vida e progresso por toda parte e em tudo!

O que se lhes ensina, ó homens, é que nada é inútil, que nada está perdido, que nada morre já que tudo foi chamado, como vocês, à terceira vida.

Vida espiritual! Entro, aqui, completamente nos seus estudos, pois admito como vocês a vida espiritual para todos os seres, após seus diferentes estágios na matéria. Admito este ser tornando-se inteligência e, em seguida, espírito, e agradeço à divina vontade que espalha sobre todos a luz e o pensamento! Não está aí, com efeito, a ideia maior, a mais elevada, a mais generosa, que podem fazer da justiça e do poder divino que cria, que atrai, que eleva incessantemente, mesmo a menor parcela saída de suas mãos?...

Por que, com efeito, tudo o que sai do Criador não retornaria para ele?

Por que a inteligência e seus deliciosos gozos para uma parte dos seres criados, e o estado inerte ou a vida animal para os outros?

Por que duvidar dessa bondade admirável e infinita, dessa bondade tão grande que o pequeno orgulho dos homens não saberia compreendê-la, dessa soberana e suprema justiça que abre a todos as portas da eternidade, que promete a todos após o progresso e o trabalho: a felicidade!

Detenho-me, dizendo-lhes: “Ó vocês que no momento começam seus estudos e sua vida séria, que Jamais um sentimento de orgulho humano venha obscurecer seu pensamento, impedindo-os de ver além o seu horizonte restrito! Procurando se elevar, não se esqueçam quão pouca coisa vocês foram e que é preciso tempo, contado de acordo com a medida terrestre, para chegar a compreender a verdadeira vida dos seres, sua criação, suas lentas transformações, seu aperfeiçoamento, sua espiritualização”!

Vocês o veem, amigos, a vida do ser é longa, mas ele tem a eternidade!...



Autor: Jean Reynaud
Do livro: Reflexos da Vida Espiritual

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...