sábado, 28 de fevereiro de 2015

Sonhos

Sonhos
Sonhos
Os sonhos, sob suas formas tão variadas, têm somente uma causa: a emancipação da alma. Esta se destaca do corpo carnal durante o sono e se transporta para um plano mais ou menos elevado do Universo, onde ela percebe, com o auxílio de seus próprios sentidos, os seres e as coisas desse plano.

Pode-se repartir os sonhos em três categorias principais:

Primeiramente, o sonho comum, puramente cerebral, simples repercussão de nossas disposições físicas ou de nossas preocupações morais. É também o reflexo das impressões e das imagens armazenadas, no cérebro, durante a vigília; na ausência de qualquer direção consciente, de qualquer controle da vontade, elas se desenrolam automaticamente ou  se traduzem em cenas vagas, desprovidas de sentido e de conexão que permanecem gravadas na memória.

O sofrimento, em geral, algumas enfermidades, em particular, facilitando o desligamento do espírito, aumentam ainda a incoerência e a intensidade dos sonhos. O espírito, retido no seu impulso, conduzido a cada instante para o corpo, não pode se elevar. Daí, o conflito entre a matéria e o

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Persiste e espera

Persiste e espera
Persiste e espera
“Toda disciplina, com efeito, no momento não parece ser motivo de alegria, mas de tristeza; ao depois, entretanto, produz fruto pacífico aos que têm sido por ela exercitados, fruto de justiça.” Hebreus, cap. 12 – v. 11.



Evidentemente, toda disciplina é penosa e constrangedora; todavia, para que se lhe ressalte a importância, basta que se observem as consequências da indisciplina na vida de quem vive de forma leviana e irresponsável.

Afirma o apóstolo que os efeitos benéficos da disciplina, muitas vezes, não se fazem sentir de imediato: “ao depois, entretanto, produz fruto pacífico aos que têm sido por ela exercitados...”

A constância em qualquer atividade a que o homem se entregue, mormente àquelas que digam respeito ao espírito, é fator determinante do êxito.

Sem que seja disciplinada pela enxada, a gleba não responde a contento às expectativas do lavrador.

Se não se resignasse à disciplina que lhe é imposta por suas margens, o grande rio perderia a direção

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

No domínio das palavras

No domínio das palavras
No domínio das palavras
Fala e conhecer-te-ão.

*

Referes-te aos outros quanto ao que está em ti mesmo.

*

A palavra é sempre o canal mais seguro pelo qual te revelas.

*

A frase de esperança é um jorro de luz.

*

O que notas de bem ou de mal na vida de alguém é complemento de teu próprio eu.

*

Comentários sobre os outros, no fundo, são exposições daquilo que carregas contigo.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Lei do Progresso

Lei do Progresso
Lei do Progresso
É um grande espetáculo a luta do espírito contra a matéria; luta pela conquista do globo; luta contra os elementos, os flagelos; contra a miséria, a dor e a morte. Por toda a parte, a matéria se opõe à manifestação do pensamento. No domínio da Arte, é a pedra que resiste ao cinzel do escultor. Na Ciência, é o impalpável, o infinitamente pequeno que foge à observação. No aspecto social, como no pessoal, são inumeráveis os obstáculos, as necessidades, as epidemias, as catástrofes! E, no entanto, diante das potências cegas que o pressionam e o ameaçam de toda parte, o homem se ergue, frágil ser; como único recurso, tem apenas sua vontade. E, com auxílio deste recurso único, através dos tempos, a luta áspera prossegue, sem trégua, sem misericórdia. Enfim, um dia, graças à vontade humana, a potência formidável é vencida, subjugada. O homem quis e a matéria submeteu-se.

A seu comando, os elementos inimigos, a água e o fogo, uniram-se, ameaçadores, e trabalharam para ele.

É a lei do esforço, lei suprema, pela qual o ser se afirma, triunfa e cresce. É a magnífica epopeia da História, luta exterior de que o mundo está pleno. A luta interior não é menos comovente. A cada

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Diferentes estados do sono

Diferentes estados do sono
Diferentes estados do sono
O estudo do sono fornece-nos, sobre a natureza da personalidade, indicações de grande importância. Em geral, não nos aprofundamos bastante a respeito do mistério do sono. O exame atento deste fenômeno, o estudo da alma e de sua forma fluídica, durante esta parte da existência que consagramos ao repouso, conduzir-nos-ão a uma compreensão mais ampla das condições do ser, na vida do Além.

O sono possui não só propriedades reparadoras, a que a Ciência ainda não deu o destaque suficiente, mas também um poder de coordenação e de centralização sobre o organismo material. Acabamos de ver que ele pode, além disso, provocar uma expansão considerável das percepções psíquicas, maior intensidade do raciocínio e da memória.

O que é, então, o sono?

É simplesmente a saída, o desprendimento da alma, com relação ao corpo. Dizem que “o sono é irmão da morte”. Estas palavras exprimem uma verdade profunda. Aprisionada à carne durante o

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

A Consciência

A Consciência
A Consciência
O eu é uma coordenação passageira, disse Th. Ribot. Estas afirmações fundamentam-se em fatos experimentais, que não poderiam ser negligenciados, tais como: vida intelectual inconsciente, alterações da personalidade, etc.

Como aproximar e conciliar teorias tão distintas e, entretanto, baseadas, ambas, na ciência de observação? De um jeito bem simples. Pela própria observação, mais atenta, mais rigorosa. Myers disse isto, nestes termos:

“Uma busca mais profunda, mais ousada, na própria direção que os psicólogos (materialistas) preconizam, mostra que eles se enganaram, ao afirmar que a análise não provava a existência de

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Reflexão em Torno da Mediunidade

Reflexão em Torno da Mediunidade
Reflexão em Torno da Mediunidade
Estudamos, também nós, no Plano Espiritual, os complexos mecanismos da Mediunidade e já vos ditamos, em outras ocasiões, observações a respeito do assunto.

Dissemos, então, que a ele voltaríamos para observarmos outros aspectos de interesse para a realização das tarefas mediúnicas, sempre tão importantes e às quais as Casas Espíritas bem orientadas se dedicam.

Hoje gostaríamos de refletir sobre a Seriedade do Médium.

Médium sério não é aquele que não sorri, mantendo a fisionomia permanentemente fechada numa atitude de formal superioridade ante às puerilidades da vida, mas será médium o que aprende a sorrir diante dessas mesmas puerilidades, dando-lhes o real valor, porque elas também ajudam a viver.

Um programa saudável em contato com a Natureza, sentir o calor do Sol, a brisa refrescante, a água revigorante do mar; correr com uma criança, sorrir gostosamente de uma observação inteligente, assistir a um bom filme que traga uma mensagem de esperança na vida são coisas pueris, mas que relaxam a mente e o corpo das tensões que o dia a dia cria para todos.

O médium sério será, então, aquele que sorri alegre e sabe, no momento justo, valorizar a tarefa que

domingo, 15 de fevereiro de 2015

O Verbo é Criador

O Verbo é Craidor
O Verbo é Criador
“Mas o que sai da boca procede do coração, e isso contamina o homem.” Jesus. (Mateus, 15:18.)



O ensinamento do Mestre, sob o véu da letra, consubstancia profunda advertência.

Indispensável cuidar do coração, como fonte emissora do verbo, para que não percamos a harmonia necessária à própria felicidade.

O que sai do coração e da mente, pela boca, é força viva e palpitante, envolvendo a criatura para o bem ou para o mal, conforme a natureza da emissão.

Do íntimo dos tiranos, por esse processo, origina-se o movimento inicial da guerra, movimento destruidor que torna à fonte em que nasceu, lançando ruína e aniquilamento.

Da alma dos caluniadores, partem os venenos que atormentam espíritos generosos, mas que voltam a

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Mediunidade a Desenvolver

Mediunidade a Desenvolver
Mediunidade a Desenvolver
Mediunidade a desenvolver: tema constante nas atividades espíritas.

Para explicar, no entanto, o que vem a ser isso, enfileiremos o mínimo de palavras, recorrendo aos esclarecimentos vivos do trabalho e do estudo.

Alguém chega à oficina, pedindo emprego.

Precisa garantir a subsistência.

Obtém lugar e acolhida.

Mas se espera, durante dias e dias, que os diretores da organização lhe arrebatem a cabeça e as mãos, movimentando-as à força, para o dever que lhe cabe, sem a menor iniciativa, seja no transporte de fardo humilde ou no manejo da escova para auxiliar na limpeza, acabará sempre sob as vistas dos orientadores da obra que encontrarão motivos para agradecer-lhe a presença e conferir-lhe substituto.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Infância

Infância
Infância
Muitos psicólogos modernos acreditam que as crianças devem ser entregues à inclinação espontânea, cabendo aos adultos o dever de auscultar-lhes a vocação, a fim de auxiliá-las a exprimir os próprios desejos.

Esquecem-se, no entanto, de que o trabalho e a reflexão vibram na base de todas as ações alusivas ao aprimoramento da natureza.

Se o cultivador aguarda valioso rendimento da planta, há que propiciar-lhe adubo e carinho.

Se o estatuário concebe a formação da obra-prima, não prescinde do amor no trato da pedra.

Se o oleiro aspira a plasmar uma ideia no corpo da argila, necessita condicioná-la em forma conveniente.

Se o construtor espera segurança e beleza no edifício que lhe atende à supervisão, não pode afastar-se

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

A Disciplina do Pensamento e a Reforma do Caráter

A Disciplina do Pensamento e a Reforma do Carater
A Disciplina do Pensamento e a Reforma do Caráter
Não há assunto mais importante que o estudo do pensamento, de seus poderes, de sua ação. Ele é a causa inicial de nossa elevação ou de nosso rebaixamento; ele prepara todas as descobertas da Ciência, todas as maravilhas da Arte, mas também todas as misérias e todas as vergonhas da Humanidade. Segundo a impulsão que lhe é dada, ele funda ou destrói instituições, como impérios, caracteres, como consciências. O homem só é grande, o homem só vale por seu pensamento; por ele suas obras brilham e se perpetuam através dos séculos.

O controle dos pensamentos leva ao controle dos atos, pois, se uns são bons, os outros o serão, igualmente, e toda a nossa conduta será regulada por um encadeamento harmônico. Ao passo que, se nossos atos são bons e nossos pensamentos são maus, aí só pode haver uma falsa aparência do bem, e continuaremos a carregar em nós um foco malfazejo, cujas influências espalhar-se-ão, cedo ou tarde, em nossa vida.

Às vezes notamos uma contradição impressionante entre os pensamentos, as produções escritas e os

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Viver é lutar

Viver é lutar
Viver é lutar
“Feliz pelo bem que faz, não há para ele decepções e as contrariedades deslizam sobre sua alma sem nela deixar nenhuma impressão dolorosa.” (Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, questão 941, comentário, 2o §, Edições Léon Denis.)


Pela graça infinita de Deus, paz!

Balthazar, pela graça de Deus.

Os homens sofrem... As criaturas, às vezes, criam obstáculos de tal monta, que aumentam os próprios sofrimentos.

Observamos, no dia de hoje, através das mensagens que nos foram dirigidas, a tônica da dor, do desamor, do dessentimento. Parece que os homens estão esquecidos de que viver é lutar. Mas lutar por lutar não basta. É preciso que se tenha um objetivo, um rumo, que se busque determinadamente alcançar o que é necessário que se alcance.

As dores que nos visitam podem ser consequências das dificuldades pessoais; mas existe muita dor do próprio mundo a que pertencemos.

O homem deve ter na sua vida uma meta por alcançar e um esforço a ser feito. Essa meta e esse

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Em tudo, a Misericórdia Divina

Em tudo, a Misericórdia Divina
Em tudo, a Misericórdia Divina
“(...) mas é uma consolação poder vos comunicar com vossos amigos pelos meios que possuís, aguardando que tenhais outros mais diretos e mais acessíveis aos vossos sentidos.” (Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, 1. ed. Celd. Pergunta 934.)


Muitas vezes, o coração encarnado pergunta como estão os seus afetos que acabaram de passar para o mundo dos espíritos. E as indagações se sucedem como que desejando uma explicação definitiva para o problema da saudade, para o problema da dor.

No que se refere aos espíritos bons, aqueles que, enquanto encarnados, praticaram todo o bem que podiam, espontaneamente, diremos que tais almas se encaminham com paz e tranquilidade, na direção dos seus pousos naturais.

Aqueles, perfazendo a maioria, que passaram pela Terra como ondas do mar, que vão e vêm, quase

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Ânimo sempre

Ânimo sempre
Ânimo sempre
“(...) o sofrimento está por toda a parte. Entretanto, para responder ao teu pensamento, direi que as classes a que chamas sofredoras são mais numerosas, porque a Terra é um lugar de expiação. Quando o homem dela tiver feito a morada do bem e dos bons espíritos, ele aí não será mais infeliz e ela será para ele o paraíso terrestre.” (Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, 1. ed. Celd. Pergunta 931.)


Trazemos a todos uma palavra de encorajamento, para que ninguém desista de lutar, de trabalhar no bem, de vencer o mal que teima em permanecer junto aos nossos corações humanos.

Tu que lutas, que sofres; tu que trabalhas não te esqueças: estás amparado por Deus e por Jesus. Se por acaso as dificuldades e os problemas forem tão grandes que te pareçam insuperáveis, recorda-te sempre da bondade de Deus, que vela por todos nós. Não te deixes abater nem te deixes amofinar! Deus é o Pai, e as lutas hão de encontrar fim um dia.

Diante de homens que agem de modo inconsiderado e diante das nações que agem altaneiras sobre

domingo, 1 de fevereiro de 2015

Amor, eis a meta

Amor, eis a meta
Amor, eis a meta
“A Natureza deu ao homem a necessidade de amar e de ser amado. Um dos maiores gozos que lhe são concedidos na Terra é o de encontrar corações que com o seu simpatizem.” (Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, perg. 938a.)


Que o amor único de Deus inspire todas as almas para o bem!

Dor, sofrimento, angústia, decepção, destruição de afetos. Eis o que a humanidade, ao longo dos milênios, vem sofrendo continuamente, como que num processo de desgaste da personalidade agressiva que ainda possuímos.

Em realidade, todas as vezes que sofremos as chamadas decepções, as dores morais que atingem o nosso ser, isso ocorre justamente porque não somos ainda pedra burilada. Somos aquelas criaturas que estão descobrindo, a pouco e pouco, o valor da amizade, do amor, do sentimento, e porque ainda não fomos capazes de chegar às fases da elevação espiritual onde as dores não mais nos atinjam, onde as acusações não mais cheguem até nós, é que sofremos. Daí, a bondade de Deus nos ter dado, como meta por atingir, o amor.

É interessante notar que Jesus, o Grande Mestre da divulgação da Lei de Amor, além de demonstrar

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...